Bar frequentado por Domingos Montagner atrai fãs do ator em SP – Rádio Cidade FM

OUÇA AGORA! VEJA AGORA!

Bar frequentado por Domingos Montagner atrai fãs do ator em SP

Vizinho à casa da família de Domingos Montagner, o bar Pilequinho, no Tatuapé, na zona Leste de São Paulo, era um dos lugares preferidos do ator, que há um ano morria de forma trágica ao se afogar no Rio São Francisco, em Sergipe. Até hoje, no entanto, o local guarda com carinho as lembranças das tardes de domingo na companhia do artista.

Montagner foi sugado pelas águas do Rio São Francisco enquanto mergulhava com a atriz Camila Pitanga, em um intervalo de gravação da novela Velho Chico.

O balconista Ivan Isidorio de Lima trabalha no Pilequinho há 31 anos e conhecia o ator há pelo menos 20. Ao R7, ele falou da amizade com Domingos e contou como eram os dias quando eles se encontravam.

— Ele vinha sempre por volta de uma, uma e meia da tarde, vinha almoçar. Esse pessoal trabalha muito, tem teatro, circo, TV, ficam muito no Rio… mas mesmo depois que os pais dele faleceram, ele nunca se afastou daqui. A gente batia papo, dava risada, brincava muito. Quando tinha uma cena da novela mais picante, por exemplo, eu falava: “Dormiu no sofá essa noite, né?”. E ele dava risada. Quando ele vinha com a Luciana (mulher), aí não dava pra brincar tanto (risos). Às vezes, ele também trazia as crianças (os filhos Leo, 13, Antonio, 10 e Dante, 6), estava sempre segurando um no colo, abraçando outro… ele era um pai muito amoroso.

Domingos ao lado de Ivan no bar da zona leste
Depois que Domingos morreu, o irmão do ator, Francisco Montagner, manteve a tradição da família e ainda frequenta o bar.

— No primeiro domingo que o irmão dele apareceu aqui depois da morte do Domingos foi uma tristeza total. Foi horrível pra gente. O irmão ainda vem muito aqui, é bom a gente ficar juntos nesses momentos que sente a falta dele. A Luciana (mulher), depois de quatro meses que ele morreu, também veio aqui com os meninos. Na medida do possível, a família vai levando…

Ivan é só elogios para o amigo que se foi.

— Ele era uma pessoa extraordinária, não tinha mania nem nariz empinado, era muito simples. Se você começasse a conversar com ele, já gostava do jeito dele. Ele também era pé no chão, muito centrado. Era um cara muito gente boa, muito família, amigo…

Ator era cliente fiel do bar
A curiosidade dos fãs e das pessoas que admiravam o trabalho de Domingos fez com que a procura pelo bar aumentasse.

— Na primeira semana, muita gente apareceu perguntando: “Era esse o bar que o Domingos frequentava?”. Mesmo quando ele era vivo e estava em alguma novela, as pessoas vinham pra querer beber o drink que ele tomava. Ele bebia pouco, mas pedia Cinzano com Underberg, que é um conhaque amargo.

Para preservar Domingos e a família, Ivan explica que o bar optou por não expor nenhuma imagem do ator.

— Por muitos anos, a gente tinha quadros de fotos aqui. Mas agora a nossa foto fica no celular, nas redes sociais… a gente queria ele vivo, não se aproveitar da imagem dele. Até porque, ele era famoso, conhecido, mas, pra gente, era como se ele fosse da família.

 Sem mais a companhia de anos do amigo, Ivan fala das lembranças que guarda.

— Sinto falta das brincadeiras, das conversas… quando ele vinha com a camisa do Corinthians, eu falava que esse era o único defeito que ele tinha (risos). Ele dava risada e falava: “Tá no sangue!”.  Acho que fica essas histórias. O bar existe desde 1974, estou há 31 anos, então a nossa clientela é muito antiga. Não sou da família dele, mas virei um amigo.

Origem circense

Além das telinhas, Domingos tinha forte influência da arte circense. Sua carreira começou em 1989, com o Circo Escola Picadeiro, onde conheceu Fernando Sampaio e juntos começaram a fazer apresentações como palhaços. A amizade ultrapassou os palcos e eles criaram o Grupo La Mínima, espetáculo baseado em humor e acrobacias.

Domingos como o palhaço clássico brasileiro, Picolino
Este ano, a companhia completou 20 anos e ganhou uma exposição no Centro Cultural Fiesp, em São Paulo. De abril a julho, o público pôde conferir a história do grupo, e a mostra reuniu fotos, figurinos, vídeos e adereços usados por Domingos e Fernando.

Os integrantes da equipe que trabalhavam com o ator não quiseram se manifestar a respeito dos 12 meses de morte de Domingos e, por meio da assessoria, disseram que vão “trabalhar na homenagem ao Agenor (Montagner) nas apresentações”.

Compartilhe isso:

Leia Mais

Jô Soares chora no programa do Bial
Jornalistas se mobilizam para ajudar William Waack
Roque volta a ser internado e Silvio Santos fica ‘sozinho’ na TV
Estreia de “Apocalipse” surpreende em várias regiões do país
Com cortes e estrelas insatisfeitas, “O Outro Lado do Paraíso” pode ser encurtada