Cão espera há oito meses dono que morreu no hospital em Balneário Camboriú – Rádio Cidade FM

OUÇA AGORA! VEJA AGORA!

Cão espera há oito meses dono que morreu no hospital em Balneário Camboriú

cao-esperaNegão, um vira-latas de idade desconhecida, é o protagonista de uma história que até parece roteiro de cinema. Há oito meses ele mora no pátio do Hospital Ruth Cardoso, em Balneário Camboriú, à espera do dono, que morreu horas depois de ser internado. A lealdade do cãozinho comoveu os funcionários do hospital e os socorristas do Samu, que o adotaram. Já tentaram até levá-lo para casa, mas Negão retorna ao hospital.
Tudo começou em meados de novembro do ano passado. O dono de Negão, que vivia na rua, teve uma infecção generalizada e precisou ser socorrido às pressas pelo Samu. O cão acompanhou todo o trajeto até o pronto socorro, correndo ao lado da ambulância.

Ele não chegou a ver o momento em que o companheiro deixou o hospital, já sem vida. E associou o barulho das sirenes à presença do amigo. Desde então, corre ansioso sempre que vê a ambulância chegar.

Negão acompanha toda a manobra dentro do pátio. Assiste de longe à retirada do paciente com a maca, e depois corre junto da ambulância até a saída para a rua. Quando percebe que o dono não está ali, volta cabisbaixo para o jardim.

— Já tínhamos visto casos de pacientes que estão muito mal, ou já em óbito, e o cachorro não sai de perto. Mas ter vindo até aqui, e permanecido, eu nunca vi igual. A não ser no cinema — diz o socorrista Renaldo Marquato, do Samu, lembrando o filme Sempre ao seu lado, estrelado por Richard Gere, que mostra a história real de um cão que esperou por seu dono, que partiu de trem e não retornou, até o fim da vida.
A rotina e as correrias de Negão chamaram atenção dos funcionários do hospital. Descobriram a história dele, resolveram cuidar e lhe deram nome e sobrenome: Negão Cardoso.
A diretora do Ruth Cardoso, Jamille dos Santos, não gostou da ideia no início. Achou que os pacientes poderiam se incomodar, embora o animal fique no lado de fora do hospital.
O jeito, então, foi adaptar um espaço para que ele pudesse se acomodar, com direito a casa, edredom, ração e um ¿banheiro¿. Tudo para garantir o conforto dele, sem incomodar os pacientes. A Ong Viva Bicho, que tem parceria com a prefeitura, castrou Negão e fez parceria com uma pet shop para que ele tome banho toda semana. Limpinho, cheiroso e bem alimentado, ele também recebe petiscos do pessoal da ambulância.

Negão tem um olhar triste e distanteFoto: Luiz Carlos Souza / Especial
Negão não abana o rabo para qualquer um e tem o olhar distante, tristonho. Para o socorrista Marquato, o jeitinho um tanto vago tem explicação:

— Não acho que ele seja triste, ele tem esperança.

Maressa Morais, funcionária do hospital que alimenta o cão todos os dias, tem vontade de levá-lo, mas diz que isso seria um erro, porque a casa que ele escolheu é ali.

Compartilhe isso:

Leia Mais

Terça-feira tem sol e tempo seco em SC
Duas pessoas ficam feridas ao tentarem desencalhar baleia por conta própria
Polícia Federal faz busca em gabinete do irmão de Geddel
Criminosos invadem Banco do Brasil de Tijucas, mas fogem sem levar valores
Semana começa com tempo mais firme e temperaturas amenas em SC