Casal é preso suspeito de receber salários de funcionários fantasmas por cinco anos na prefeitura de Luiz Alves – Rádio Cidade FM

OUÇA AGORA! VEJA AGORA!

Casal é preso suspeito de receber salários de funcionários fantasmas por cinco anos na prefeitura de Luiz Alves

Um servidor da prefeitura de Luiz Alves, no Vale do Itajaí, e a mulher dele, ex-funcionária contratada do município, foram presos preventivamente na tarde desta quarta-feira (21). Segundo a Polícia Civil, eles são suspeitos de receber o salário de dois funcionários fantasmas e de uma servidora afastada por doença por ao menos cinco anos.

Até agora, a Polícia Civil apurou R$ 228 mil transferidos indevidamente da conta da prefeitura para o servidor. Conforme o delegado Rodrigo Coronha, o suspeito trabalhava no setor de recursos humanos e no departamento financeiro e contábil da prefeitura.

“Ele é o mentor das irregularidades e a mulher dele, como funcionária do mesmo setor por quase dois anos, tinha acesso a estas operações. O suspeito fazia uma ordem de pagamento da conta da prefeitura para a conta dele. Eles podem responder por peculato e inserção de dados falsos em sistema público de informática”, relatou o delegado.

Segundo Coronha, as irregularidades vieram à tona após uma auditoria interna da prefeitura, que denunciou o problema à Polícia Civil. “Agora, nossa investigação tem continuidade no sentido de levantar o patrimônio do casal e quais bens foram adquiridos após as irregularidades”, explicou.

A polícia solicitou à Justiça o bloqueio dos bens do casal e apreendeu um Uno. Até agora, a investigação identificou no nome deles uma casa, o carro apreendido e parte de um pequeno mercado em Barra Velha.

O homem foi conduzido ao Presídio de Itajaí e a mulher para a penitenciária feminina do mesmo município.

Compartilhe isso:

Leia Mais

“Tudo tem limite”, diz irmão de brasileiro preso na Venezuela
Gastos da União com auxílio-moradia triplicam em 3 anos
Florianópolis já acumula mais de 400 mm de chuva
Semana segue com tempo instável
PRESOS AUTORES DE TRÁFICO, ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA E CORRUPÇÃO DE MENORES