Guardas municipais devem voltar a ter porte de armas até o fim de julho – Rádio Cidade FM

AO VIVO

Guardas municipais devem voltar a ter porte de armas até o fim de julho

gmfOs 25 guardas municipais de Florianópolis que concluíram as horas regulamentares de tiro exigidas pela Polícia Federal (PF) devem voltar a ter porte de armas antes do fim de julho. A afirmação é do secretário Municipal de Segurança e Gestão do Trânsito, José Paulo Rubim, após uma audiência na Justiça Federal com representantes da categoria e da PF na quinta-feira (14).

“Em 10 dias, devemos assinar um novo convênio com a Polícia Federal. Na medida em que os demais servidores iniciarem o curso e cumprirem as horas exigidas, terão os portes restabelecidos. Houve um comprometimento de todas as partes para que a liberação seja agilizada”, explicou Rubim.

Porte cassado
Os guardas municipais de Florianópolis atuaram armados por oito anos e tiveram o porte cassado em 1º de julho, em razão do fim de um convênio com a PF. Conforme o órgão, o porte de arma de fogo dos servidores exige requisitos como treinamento técnico de, no mínimo, 60 horas para arma de repetição e 100 horas para arma semiautomática.

Além disso, a PF assinalou a importância de um teste de capacidade psicológica a cada dois anos e existência de corregedoria e ouvidoria como órgãos independentes e autônomos.

A PF declarou também que vinha buscando desde 2014 que a prefeitura comprovasse o cumprimento dos requisitos, mas não obteve êxito. A prefeitura, de outro lado, alegou não ter tido tempo hábil para providenciar os cursos regulamentares.

Retorno ao trabalho
Nesta sexta-feira (15), os guardas municipais entraram no quinto dia de greve. Conforme o presidente do Sindicato dos Guardas Municipais de Santa Catarina, Alexsandro Coelho, os trabalhadores decidirão em assembleia prevista para as 12h na sede do órgão em Florianópolis se retornam ao trabalho.

“O sindicato e a associação dos guardas municipais são contra a retomada de serviços como fiscalização de trânsito e atendimento a ocorrências. Quando eles vestem o uniforme, passam a correr risco de vida, porque os bandidos os veem como uma ameaça ao crime. E se eles se depararem com uma situação de risco, terão que se esconder para não serem agredidos e chamar a PM, isso é inadmissível”, afirmou Coelho.

Pagamento dos dias parados
Conforme o secretário de Segurança e Gestão do Trânsito, em uma reunião na secretaria de Administração de Florianópolis às 14h será decidido sobre o pagamento dos dias em que os servidores não trabalharam.

Compartilhe isso:

Leia Mais

Chuva, temperatura e mar: veja a previsão do tempo para o fim do verão e início do outono em SC
Carne Fraca: PF diz que propina abastecia PMDB e PP
Prefeitura de Porto Belo convoca novos servidores aprovados em seletivos
Presos na Operação F7 atuavam em empresa de software de Rio do Sul
Semana começa com tempo instável na maioria das regiões de SC