MPF denuncia Eduardo Cunha e Henrique Alves por corrupção e lavagem de dinheiro – Rádio Cidade FM

OUÇA AGORA! VEJA AGORA!

MPF denuncia Eduardo Cunha e Henrique Alves por corrupção e lavagem de dinheiro

O MPF (Ministério Público Federal) no Rio Grande do Norte denunciou, na última terça-feira (20), os ex-presidentes da Câmara dos Deputados Henrique Eduardo Lyra Alves (PMDB-RN) e Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Manus, desdobramento da Lava Jato.

Os dois ex-deputados estão atrás das grades. Alves, que também foi ministro do Turismo, está detido em Natal (RN). Já Cunha está preso no Complexo Médico-Penal do Paraná, na região metropolitana de Curitiba.

Agora, a Justiça Federal vai decidir se aceita a acusação. Se isso ocorrer, os dois se tornarão réus e, em seguida, processados criminalmente. Os dois são acusados de receber, pelo menos, R$ 11,5 milhões em propinas de empreiteiras, sem contar R$ 4 milhões repassados a clubes de futebol.

Em troca, facilitaram a participação, por exemplo, da empreiteira OAS na privatização dos aeroportos do Galeão, no Rio de Janeiro, e de Confins, em Minas Gerais, por meio da aprovação de um projeto de lei complementar referente à rolagem da dívida pública do Município de São Paulo. Também aliviaram entraves à liberação de financiamento do BNDES para a da Arena das Dunas, em Natal (RN), estádio usado na Copa do Mundo de 2014.

Além dos dois ex-presidentes da Câmara, também foram denunciados o ex-presidente da OAS José Adelmário Pinheiro Filho, o “Leo Pinheiro”, que está preso na Polícia Federal, no Paraná; o executivo da Odebrecht Fernando Luiz Ayres da Cunha, que colabora com as investigações; o empresário e ex-secretário de Obras de Natal, Carlos Frederico Queiroz Batista da Silva, conhecido como “Fred Queiroz”, preso em Natal; e o empresário Arturo Silveira Dias de Arruda Câmara, sócio da Art&C Marketing Político Ltda., com sede na capital potiguar.

Como provas, o MPF apresentou mensagens de celulares, prestações de contas eleitorais, dados bancários e telefônicos, depoimentos de testemunhas, diligências de campo, documentos e depoimentos de colaborações premiadas. Os promotores entenderam que havia, entre Eduardo Cunha e Henrique Alves, uma “parceria criminosa”.

Entre 2012 e 2014, conforme a denúncia, os dois ex-parlamentares “solicitaram, aceitaram promessa nesse sentido e efetivamente receberam vantagens indevidas, de forma oculta e disfarçada, por meio de doações eleitorais oficiais e não oficiais, em razão da atuação política e parlamentar de ambos em favor dos interesses de empreiteiras”.

O dinheiro recebido por Henrique Alves, de acordo com a denúncia, foi usado especialmente na campanha eleitoral para o governo do Rio Grande do Norte, em 2014.

Favores

Em troca da propina, os ex-deputados facilitaram a vida das empreiteiras “em especial no ano de 2013, por meio da superação de restrições à participação da empresa na privatização dos aeroportos do Galeão e de Confins, por meio da aprovação do projeto da Lei Complementar n. 283/2013, referente à rolagem da dívida pública do Município de São Paulo, e da superação de entraves à liberação de financiamento do BNDES relativo à obra da Arena das Dunas, em Natal/RN.”

O MPF explicou que disfarçar a propina por meio de doação eleitoral foi uma das estratégias mais usadas. Em junho de 2012, ainda antes do período de campanha, foram pagos R$ 700 mil pela OAS, por meio do Diretório Nacional do PMDB, sempre com aval de Léo Pinheiro.

Ainda da OAS, veio repasse de mais R$ 500 mil em 13 de agosto do mesmo ano, através do Diretório Nacional. Até setembro chegaram mais R$ 1 milhão e posteriormente mais R$ 500 mil para a dupla, pelo mesmo caminho. Já em outubro, outros R$ 500 mil. Entre junho e setembro, dessa vez em 2014, o MPF registra repasses de R$ 650 mil e de R$ 3 milhões, através da conta de campanha ou pelo Diretório do PMDB no Rio Grande do Norte.

Compartilhe isso:

Leia Mais

Equipe da FAACI se reúne com representantes da FATMA
Oito cidades de SC registram grandes volumes de chuva na madrugada desta quinta
Em operação, Secretaria da Fazenda de SC acha irregularidades em 20 outlets
Quinta-feira deve ser de nuvens e chuva irregular em SC
Projeto de trilhas guiadas será na sexta-feira (19/01)