Nadador Ryan Lotche perde três patrocínios após polêmica na Rio 2016 – Rádio Cidade FM

OUÇA AGORA! VEJA AGORA!

Nadador Ryan Lotche perde três patrocínios após polêmica na Rio 2016

127ue95ry1_jz2tfoai6_fileA confusão gerada pelo nadador Ryan Lochte nos Jogos Olímpicos do Rio começa a afetar os contratos comerciais do atleta norte-americano. A multinacional Speedo anunciou na tarde desta segunda-feira (22) que encerrou o contrato de patrocínio de mais de uma década de Lochte.

Com a decisão, a companhia doará US$ 50 mil (cerca de R$ 160 mil) de parte da verba que seria destinada ao atleta para uma organização não-governamental que atende crianças no Brasil.

“A Speedo USA anuncia hoje a decisão de encerrar o contrato de patrocínio de Ryan Lochte”, informa a empresa em comunicado à imprensa. “Não podemos tolerar comportamento que é contrário aos valores que esta marca representa há tanto tempo”, explica a nota que reconhece que a companhia manteve, até o episódio, uma “relação vencedora com Ryan por mais de uma década”.

A companhia informa ainda que, com a decisão de encerrar o patrocínio, a Speedo USA doará US$ 50 mil (cerca de R$ 160 mil) do orçamento que seria dedicado ao nadador para projetos que atendam crianças no Brasil da ONG Save The Children.

Na nota, a empresa fornecedora de material esportivo agradece as realizações do atleta e deseja progressos ao nadador.

Mais prejuízos

Logo em seguida, outra marca norte-americana de vestuário, Ralph Lauren, foi até mais longe: retirou todas as citações ao atleta de seu site oficial, mantendo as de outros esportistas.

A mais recente quebra de contrato veio com a Syneron-Candela. A empresa de produtos estéticos para a pele patrocinava o atleta especificamente com um acessório elétrico removedor de pêlos corporais.

Polícia responsabiliza Lochte e James Feigen

A Polícia Civil responsabilizou os nadadores Lochte e James Feigen por comunicação falsa de crime. Como se trata de delito de baixo potencial ofensivo, foi lavrado um termo circunstanciado. Feigen fez um acordo com a Justiça e pagou multa de R$ 35 mil.

Quanto a Lochte, que deixou o Brasil antes de o crime ser elucidado, a polícia informou ter encaminhado o caso ao Ministério Público.

 Os passaportes dos nadadores John Conger e Gunnar Bentz foram devolvidos e eles retornaram aos Estados Unidos após prestarem depoimento à polícia na quinta. Diferentemente de Lochte e Feigen, Conger e Bentz não chegaram a prestar declarações à polícia do Rio sobre o falso assalto. Por isso, os atletas, ouvidos ontem na condição de testemunhas, não foram responsabilizados.

Os rapazes se envolveram em atos de vandalismo no banheiro de um posto de gasolina na zona oeste do Rio e, após serem confrontados por seguranças, pagaram a quantia de cerca de R$ 160 (R$ 100 e uma nota de US$ 20). Entretanto, a primeira versão dos atletas foi de que teriam sido vítimas de roubo a mão armada.

Segundo a polícia, Feigen pediu desculpas e afirmou que a versão que o companheiro de equipe Lochte deu não era verdadeira. O dinheiro da multa foi direcionado para o Instituto Reação, onde a medalhista olímpica Rafaela Silva treina.

Pedido de desculpas

Lochte usou seu perfil no Instagram na última sexta-feira (19) para pedir desculpas. “Eu quero me desculpar por meu comportamento na semana passada, por não ter sido mais cuidadoso e sincero na forma como eu descrevi os eventos daquela manhã”.

O nadador disse ainda que foi “traumático” sair com amigos em um país estrangeiro, com uma “barreira linguística”, e “ter um estranho apontando uma arma para você e exigindo dinheiro para te liberar”. O nadador diz ainda que esperou seus colegas chegarem aos Estados Unidos em segurança para aí sim fazer seu pedido de desculpas.

Compartilhe isso:

Leia Mais

“Grande acerto”, diz Jungmann sobre convocação das Forças Armadas
Porto Belo abre pré-inscrição para os cursos do Pronatec
Abastecimento de água deve estar normalizado na maioria das casas nesta quinta, informa Casan
Temperatura pode chegar aos 29ºC nesta quinta-feira em SC
Câmara aprova continuidade do saque das contas inativas do FGTS