No primeiro ano de Temer, inflação cai, desemprego sobe – Rádio Cidade FM

OUÇA AGORA! VEJA AGORA!

No primeiro ano de Temer, inflação cai, desemprego sobe

Às 11h27min da quinta-feira, 12 de maio de 2016, com apenas uma assinatura, Michel Temer passou de vice a presidente interino. Chancelou a notificação que lhe informou da votação encerrada cinco horas antes, na qual o Senado abriu o processo de impeachment e afastou Dilma Rousseff do Palácio do Planalto. Nascia o governo Temer.

Um ano depois, a inflação caiu pela metade, houve redução da cotação do dólar e da taxa de juro, mas a fila do desemprego aumentou em 3 milhões. No Brasil de Temer, o desafio é superar a incômoda marca de 14,2 milhões de desempregados e a crise política potencializada pela Lava-Jato.

Efetivado como presidente da República desde agosto de 2016, na condenação de Dilma em razão das polêmicas pedaladas fiscais, Temer completa na sexta-feira o primeiro ano de gestão. Tem aprovação baixa, foi citado na Lava- Jato — que investiga um terço dos 28 ministros — e confia no início da retomada da economia, após dois anos de Produto Interno Bruto (PIB) a -3,8% e -3,6%. Badalada, a projeção de alta de 0,46% do PIB está vinculada às aprovações das reformas trabalhista e previdenciária no Congresso, sendo que ainda não há garantia dos votos necessários.

Sem apoio popular e convivendo com os brados de “golpista” vindos da nova oposição, Temer voltou-se ao Congresso e ao empresariado. Entre auxiliares do presidente e parlamentares aliados, o otimismo persiste, apesar de não ter o mesmo vigor da primeira tarde de governo, quando o mandatário deu posse aos novos ministros. Circundado por um pelotão de senhores engravatados, anunciou uma gestão de “salvação nacional”, falou em “pacificar” o país, prometeu manter programas sociais e fez um pedido:

— Não vamos falar em crise, vamos trabalhar.

O Planalto prepara um balanço para apresentar os frutos de 12 meses de trabalho. O inventário destacará a “herança petista” e os indicadores positivos da economia. Lembrará as aprovações das novas regras do pré-sal e da PEC do teto de gastos, as concessões realizadas e o sucesso da Olimpíada.

— A economia está melhor do que sonhávamos. Com as reformas, esse desempenho sobe, gerando emprego no último trimestre do ano — prevê o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Professor da FGV-SP, o economista Nelson Marconi tem posição cética. Ele vê excessos na política econômica liderada pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, centrada no combate à inflação, que bateu em 10% no início de 2016.

— A taxa de juro demora a baixar, o governo aumentou o gasto com pessoal e diminuiu o investimento. Isso ajudou a represar a demanda e a aumentar o desemprego — explica.

Para Marconi, as reformas, em especial a da Previdência, só ajudarão na curva do emprego caso impactem em nova queda do juro. Em caso de derrota nas votações, a saída da recessão será comprometida. É a mesma avaliação do analista político da XP Investimentos, Richard Back, de que o mercado está “satisfeito” com Temer e conta com as reformas.

— O investidor aceita a reforma da Previdência desidratada. Agora, se o governo perder, veríamos a credibilidade reconstruída na economia ruir — diz.

Se na economia aliados de Temer têm o que comemorar, na política a situação é distinta. Os 12 meses foram de mar bravio. Artífice do impeachment na Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) foi cassado e preso. Oito ministros deixaram o governo. A Odebrecht fechou delação premiada e atingiu as principais figuras políticas do país e do governo. Relator da operação no Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki morreu em um acidente aéreo. Foi substituído por Edson Fachin.

Professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), o cientista político Fernando Lattman-Weltman afirma que a dureza das reformas está na contramão do projeto eleito em 2014 ao lado de Dilma. Já o envolvimento de próceres do governo na Lava-Jato deteriora a imagem do presidente.

— Há vacilo na questão ética. A resposta no combate à corrupção não ocorreu, e o governo está sob suspeição — avalia.

Nesse cenário, Temer engavetou o plano de tentar a reeleição. Por ora, com novas delações em negociação e o julgamento da ação que pode cassar a chapa Dilma-Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), encerrar o mandato será considerado uma vitória pelos atuais inquilinos do Planalto.

365 DIAS DE ALTOS E BAIXOS

Desemprego
Abril/201611,4 milhões (11,2%)
Março/201714,2 milhões (13,7%)

Uma das críticas mais repetidas pelos parlamentares pró-impeachment tratava dos 11 milhões de desempregados no país. Com Temer e a nova política econômica, liderada pelo ministro Henrique Meirelles (Fazenda), os números pioraram. O governo projeta retomada a partir do último trimestre de 2017.

Inflação acumulada em 12 meses
Maio/20169,32%
Março/20174,57%
É um dos indicadores mais badalados pelo governo. Em maio de 2016, no afastamento de Dilma Rousseff pelo Senado, a inflação medida pelo IPCA nos últimos 12 meses estava próxima de 10%. Até o momento, caiu pela metade.

Taxa de juro
Abril/201614,25%
Abril/201711,25%
Ao assumir, Temer mudou o presidente do Banco Central: saiu Alexandre Tombini e entrou Ilan Goldfajn. Em um ano, a Selic caiu três pontos percentuais. São cinco baixas seguidas, definidas pelo Banco Central, desde outubro. O mercado prevê espaço para novos cortes. As projeções indicam taxa de juro na faixa de 8,5% ao final do ano.

Dólar
Maio/2016R$ 3,47
Maio/2017R$ 3,17
O início do governo teve dólar em queda diante do pico histórico registrado em janeiro de 2016, quando a moeda americana chegou a R$ 4,16, maior cotação desde a criação do real, em 1994. Fechou 2016 com queda de 17,69%. Influenciado também por fatores externos, o dólar tem previsão de fechar o ano na faixa de R$ 3,23.

Bolsa/Ibovespa
Maio/2016 48.471 pontos
Maio/201764.826 pontos
Espelho do humor dos investidores, o Ibovespa fechou 2016 em alta de 38,94%. Um ano depois do impeachment, tem crescimento comedido. Cautela é a palavra mais repetida no mercado.

Aprovação popular
Julho/2016 14%
Abril/20179%
Diferentes institutos apontam a baixa popularidade de Temer. Segundo o Datafolha, no mais recente levantamento, 61% dos brasileiros consideram o governo ruim ou péssimo e apenas 9% o aprovam. As avaliações pioraram com o passar do tempo. Após o impeachment, Temer tinha 14% de aprovação e 31% consideravam sua gestão ruim ou péssima.

28 ministérios
Temer cortou os ministérios de 32 para 25, com discurso de redução da máquina pública. Um ano depois, a Esplanada tem 28 pastas. O presidente recriou a Secretaria-Geral da Presidência e os ministérios da Cultura e Direitos Humanos. Alvo da Lava-Jato, Moreira Franco assumiu a Secretaria-Geral, ganhando foro privilegiado.

2 mulheres na Esplanada
Temer coleciona gafes. Já usou o termo “mundo feminino” e afirmou que as mulheres sabem indicar melhor os desajustes dos preços nos supermercados. Criticado por formar ministério apenas masculino, hoje, tem duas ministras: Luislinda Valois (Direitos Humanos) e Grace Mendonça (AGU). O Tesouro Nacional é comandado por Ana Paula Vescovi e o BNDES por Maria Silvia Bastos Marques.

8 trocas de ministros
o governo trocou oito ministros em um ano. Já na lista de Fachin, outros oito viraram alvo de inquérito no STF, mas seguem nos cargos. Pós-delação da Odebrecht, Temer definiu linha de corte para a saída de ministros: afastar temporariamente os denunciados e exonerar quem virar réu.

52 medidas provisórias (MPs)
Crítico do excesso de MPs quando era deputado, Temer repetiu o modelo de seus antecessores. Usou-as para reformar o Ensino Médio, liberar saque de contas do FGTS, mexer em ministérios e autorizar o pente-fino do INSS. Ao comparar o primeiro ano de gestão de outros presidentes, Temer editou menos MPs do que Fernando Henrique, Fernando Collor e Lula — por outro lado, foram mais do que Dilma.

189 discursos
Nas primeiras falas, Temer chamou atenção pelo tom rebuscado, com o uso de mesóclises. No discurso de posse, surpreendeu com um “sê-lo-ia”. Orientado por assessores, tenta ser mais informal.

“Não vamos falar em crise, vamos trabalhar.”
Na cerimônia de posse dos novos ministros (12/05/2016)

“Estou preparadíssimo para as vaias.”
Em entrevista a ZH, sobre a abertura da Olimpíada do Rio (29/07/2016)

“Golpista é você que está contra a Constituição, né? Golpe é aquele que propõe a ruptura constitucional.”
Ao incentivar ministros a rebater as críticas de petistas sobre o impeachment (31/08/2016)

“2017 será o ano que derrotaremos a crise. Os empresários voltarão a investir e vamos recuperar os empregos perdidos.”
Em mensagem de Natal (24/12/2016)

41 viagens
Em um ano, Temer fez 34 viagens nacionais. Priorizou eventos com empresários e entidades em São Paulo. Ao Nordeste, foi pela primeira vez em dezembro. O presidente teve sete viagens internacionais: China, EUA, Argentina, Paraguai, Índia, Japão e Portugal.

2 visitas ao RS
Temer esteve duas vezes no Estado, ambas em janeiro. Foi a Esteio para entregar ambulâncias do Samu e esteve em Porto Alegre no velório do ministro do STF Teori Zavascki.

PEC do Teto
Foi a principal vitória de Temer no Congresso. A proposta fixou por 20 anos um limite para as despesas públicas.

Novo Ensino Médio
O governo aprovou a MP que reformou o Ensino Médio, que terá parte do currículo flexível.

Terceirização
Em março, a Câmara aprovou projeto de 1998 que permite a terceirização irrestrita, inclusive na atividade-fim.

Novas regras do pré-sal
Em 2016, o governo aprovou o fim da obrigatoriedade da Petrobras como operadora de campos de petróleo no pré-sal.

Repatriação de valores
Governo aprovou nova etapa do programa de repatriação, no qual brasileiros que mantinham recursos não declarados no Exterior regularizam a situação mediante multa e IR.

Contas inativas do FGTS e juros do cartão
No final do ano, Temer anunciou a liberação do saque de contas inativas do FGTS e a redução de juros do cartão de crédito. Os saques estão em andamento e as regras do rotativo valendo.

Recuperação fiscal dos Estados
O governo aprovou carência de seis meses no pagamento da dívida dos Estados e discute na Câmara um programa de recuperação fiscal que exige corte de gastos.

Reforma Trabalhista
Aprovada pela Câmara, a reforma modifica pontos da CLT, com destaque para o negociado sobre o legislado. O projeto está no Senado e deve levar dois meses até ser apreciado.

Reforma da Previdência
Principal reforma, está na Câmara, onde o governo tem dificuldade de conseguir votos. Se aprovada, irá ao Senado.

Bolsa Família
Temer aumentou o valor do benefício do Bolsa Família em 12,5%. O governo negocia novo reajuste.

Pente-fino do INSS
INSS iniciou perícias no auxílio-doença e na aposentadoria por invalidez. Foram cancelados 84,8 mil benefícios.

Plano Nacional de Segurança
Em janeiro, diante da crise das chacinas em presídios, foi lançada a medida, que prevê combate a crimes violentos e a construção de presídios federais. Pouco do plano saiu do papel.

Ciência sem Fronteira
Criado por Dilma, o programa não concederá novas bolsas a graduandos, cumprindo apenas o que já foi acertado.

MedioTec
Temer lançou o MedioTec, com foco em estudantes. São 82 mil vagas para cursos ministrados no contraturno das aulas regulares. O Pronatec segue, com 135,6 mil matrículas.

Fies e ProUni
No segundo semestre de 2016, a gestão Temer ofertou 75 mil vagas no Fies e 125 mil no ProUni. No primeiro semestre de 2017, são 150 mil e 214,1 mil. Haverá novas ofertas este ano.

Concessões
O leilão de quatro aeroportos arrecadou R$ 3,72 bilhões. Outros R$ 12,7 bilhões foram com linhas de transmissão de energia.

Minha Casa Minha Vida
O limite de renda das famílias nas faixas do programa subiu para até R$ 9 mil. A meta é contratar neste ano 610 mil unidades.

Corte de cargos
O governo prometeu cortar 4.276 cargos comissionados, funções de confiança e gratificações. Até o momento, foram extintos 4.029 cargos, economia de cerca de R$ 202 milhões.

Compartilhe isso:

Leia Mais

Temer diz que população entenderá aumento de impostos dos combustíveis
APROVADO PROJETO QUE PREVÊ TITULO DE CIDADÃO HONORÁRIO DE BOMBINHAS AO GOVERNADOR DE SC
Tarifas do transporte intermunicipal ficam mais caras a partir de domingo (23)
Santa Catarina fica abaixo de 0ºC pelo quinto dia seguido
Público faz campanha para Evaristo Costa ficar na TV, e Globo tenta reverter a decisão do âncora