PF e Ministério Público Federal pedem conversão da prisão temporária de Palocci em preventiva – Rádio Cidade FM

OUÇA AGORA! VEJA AGORA!

PF e Ministério Público Federal pedem conversão da prisão temporária de Palocci em preventiva

1fj2o5di4e_4t6og9us01_fileA PF (Polícia Federal) e MPF (Ministério Público Federal) pediram à Justiça Federal a conversão da prisão temporária do ex-ministro Antônio Palocci em preventiva. Se atentido, a solicitação mantém o petista atrás das grades por tempo indeterminado.

Palocci, que foi preso na última segunda-feira (26) em decorrência da Operação Omertá, a 35ª etapa da Operação Lava Jato, é suspeito de receber propina da empreiteira Odebrecht.

Por parte da PF, o pedido é assinado pelo delegado federal Filipe Hile Pace, da força-tarefa da Lava Jato no Paraná. Já o pedido do MPF, protocolado nesta sexta-feira (30), é assinado pelo coordenador da força-tarefa da Lava Jato, o procurador da República Deltan Dallagnol.

A prisão temporária do petista vence nesta sexta-feira (30) e, até as 14h, não havia uma decisão sobre o assunto. Caberá ao juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal, decidir o futuro de Palocci.

Os pedidos da PF, protocolado ontem, e do MPF pedem ainda a manutenção da prisão de Branislav Kontic, braço direito do ex-ministro — também por meio da conversão da prisão temporária em preventiva.

Em relação ao ex-assessor de Palocci, Juscelino Dourado, Filipe Pace afirmou que ele parece “não ter mais relações com Antonio Palocci” e que, portanto, não haveria risco, caso ele fosse solto e cumprisse medidas alternativas da prisão. O MPF e a PF pedem que Dourado entregue passaportes e fique proibido de deixar o País, “mantendo o juízo informado sobre eventuais mudanças de endereço”.

No pedido de 86 páginas, o delegado reforça as suspeitas de que Palocci atuava como um elo do PT com a Odebrecht, intermediando assuntos de interesse da empreiteira, e afirma ainda haver indícios de que Palocci teria recebido todos os valores ilícitos das planilhas da Odebrecht que fazem referência à “Italiano” e somam R$ 128 milhões.

O delegado aponta também que o ex-ministro teria orientado a destruição de provas em sua empresa de consultoria Projeto antes da Operação Omertà, que teve o ex-ministro como alvo.

— Tais vantagens, em sua grande maioria traduzidas em dinheiro em espécie, ainda não foram rastreadas a partir desta investigação, motivo pelo qual não existe qualquer medida cautelar diversa da prisão que inviabilize Antonio Palocci Filho e Branislav Kontic – seu funcionário até a presente data – de praticarem atos que visem a ocultar e obstruir a descoberta acerca do real paradeiro e emprego dos recursos em espécie recebidos.

Além disso, Filipe Pace aponta que, nas buscas realizadas na Projeto, empresa de consultoria do ex-ministro que foi alvo da Omertà, os agentes da PF identificaram suspeita de que o ex-ministro e seu assessor teriam atuado para destruir provas.

— Foram constatadas que diversas estações de trabalhos na empresa [Projeto] estavam plenamente equipadas, à exceção dos gabinetes dos computadores, o que pode indicar que tenham sido até mesmo destruídos ou colocados fora do alcance da Polícia Federal.

Compartilhe isso:

Leia Mais

Terça-feira tem sol e tempo seco em SC
Duas pessoas ficam feridas ao tentarem desencalhar baleia por conta própria
Polícia Federal faz busca em gabinete do irmão de Geddel
Criminosos invadem Banco do Brasil de Tijucas, mas fogem sem levar valores
Semana começa com tempo mais firme e temperaturas amenas em SC