Proibição do consumo de ostras em SC gera demissões de maricultores – Rádio Cidade FM

OUÇA AGORA! VEJA AGORA!

Proibição do consumo de ostras em SC gera demissões de maricultores

fotoooo2A proibição da extração, venda e consumo de ostras, mexilhões, vieiras e berbigões em todo o litoral catarinense pela presença de uma toxina que podem causar intoxicação alimentarcompletou três semanas nesta quinta-feira (16). Segundo a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), ainda não há previsão de liberação.

O maior impacto é no início da cadeia produtiva, com os maricultores. Para a Associação de Maricultores e Pescadores Profissionais do Sul da Ilha (Amprosul), que reúne 36 produtores familiares da região do Sul da Ilha de Florianópolis, a situação beira a “calamidade”.

“Muita gente mandou pessoal embora. Depois de mais de 20 dias, as famílias tiveram que demitir funcionários. Meu filho mesmo já disse que vai procurar um trabalho no Centro, mais uma pessoa para trabalhar na cidade”, disse Maximiano Mendes, integrante da associação.

“Tem família que não tem como comprar gás, comida, transporte para levar as crianças para escola. Porque na nossa região, as famílias dependem exclusivamente da maricultura”, explica a presidente da Amprosul, Eva Maciel Mendes.

Cidasc diz que não há como ter previsão da retomada
Segundo o médico veterinário da Cidasc, Pedro Mansur, não é possível prever quando a coleta de mariscos será liberada, por depender de condições naturais. “Estamos fazendo análises com frequência, sempre apontando a presença da toxina. A liberação depende do afastamento das águas por corrrentes marítimas”, disse Mansur.

Compartilhe isso:

Leia Mais

Temer diz que população entenderá aumento de impostos dos combustíveis
APROVADO PROJETO QUE PREVÊ TITULO DE CIDADÃO HONORÁRIO DE BOMBINHAS AO GOVERNADOR DE SC
Tarifas do transporte intermunicipal ficam mais caras a partir de domingo (23)
Santa Catarina fica abaixo de 0ºC pelo quinto dia seguido
Público faz campanha para Evaristo Costa ficar na TV, e Globo tenta reverter a decisão do âncora