Servidores da prefeitura de Florianópolis entram em greve pela segunda vez no ano – Rádio Cidade FM

OUÇA AGORA! VEJA AGORA!

Servidores da prefeitura de Florianópolis entram em greve pela segunda vez no ano

20618711A partir da meia noite de domingo para segunda-feira, os funcionários da prefeitura de Florianópolis iniciam a segunda paralisação do ano. A decisão foi tomada na tarde desta quarta-feira (03) em assembleia que lotou a frente da Câmara de Vereadores.

Conforme o Sindicato dos Trabalhadores do Município (Sintrasem), ficarão fechadas escolas, creches, postos de saúde, os centros de assistência social, obras e serviços administrativos. As Unidades de Pronto Atendimento manterão os serviços de urgência e emergência, e o Samu irá permanecer com 100% do atendimento. Já as farmácias de referência devem funcionar somente em 30%.

O transporte público e a coleta de lixo não serão afetados, pois os trabalhadores desses serviços pertencem a outros sindicatos.

Desta vez, são duas as principais reivindicações da categoria. A primeira é o atraso no pagamento da segunda parcela do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV). O sindicato argumenta que esta deveria ter sido paga em maio. A segunda questão é o projeto de lei que altera o sistema do fundo previdenciário. O PL propõe a passagem do fundo previdenciário para o fundo financeiro.

— O projeto que o prefeito mandou para a Câmara prevê a migração de quem tem mais de 64 anos do fundo antigo para o fundo novo. Com isso a prefeitura se desresponsabiliza com a previdência desses trabalhadores. É uma manobra política para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal — contesta a diretora de comunicação do Sintrasem, Ana Silva.

A prefeitura ainda não foi notificada da decisão, mas o prefeito Cesar Souza Junior, confirmou que pediu a suspensão da votação do projeto de reforma da previdência na Câmara.

— Vou procurar o sindicato e os servidores. Acho que há desinformação. Eu vou procurar eles e comprovar que o que a gente está fazendo é uma coisa boa para o servidor, boa para o sistema previdenciário e que não vai descapitalizar. Pelo contrário, vai fortalecer o sistema de previdência do município — argumenta o prefeito.

Em março, o Sintrasem organizou uma greve que durou duas semanas na Capital. O movimento foi encerrado após a categoria aceitar proposta salarial da prefeitura, que ficava abaixo do reivindicado. O reajuste foi de 6%, parcelado em quatro vezes, e não 10%.

Compartilhe isso:

Leia Mais

Temer diz que população entenderá aumento de impostos dos combustíveis
APROVADO PROJETO QUE PREVÊ TITULO DE CIDADÃO HONORÁRIO DE BOMBINHAS AO GOVERNADOR DE SC
Tarifas do transporte intermunicipal ficam mais caras a partir de domingo (23)
Santa Catarina fica abaixo de 0ºC pelo quinto dia seguido
Público faz campanha para Evaristo Costa ficar na TV, e Globo tenta reverter a decisão do âncora