Trecho da BR-101, entre Palhoça e São José, é o mais perigoso do país – Rádio Cidade FM

AO VIVO

Trecho da BR-101, entre Palhoça e São José, é o mais perigoso do país

Local é um misto do trânsito urnano com o da rodovia (Foto: Reprodução/RBS TV)Um trecho de 10 quilômetros da BR-101, na Grande Florianópolis, é considerado o mais perigoso do país. A constatação é de uma pesquisa nacional, como mostrou o Bom Dia Santa Catarinadesta terça-feira (12).

O local, entre Palhoça e São José, é um misto entre o trânsito das cidades e o tráfego pesado da rodovia. Enquanto isso, as obras do contorno viário da região estão longe do fim.

Conforme o estudo, 20% das mortes em rodovias federais do país são provocadas pela falta de atenção do motorista. De acordo com a pesquisa, 15 pessoas morreram em acidentes de trânsito no trecho entre São José e Palhoça em 2015.

“É uma rodovia urbanizada, pois as cidades cresceram muito e acabaram envolvendo a rodovia. A maior parte dos acidentes é de pessoas que moram perto da BR-101, em um raio de, no máximo, 5 quilômetros”, explicou Adriano Fiamoncini, da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Apesar de ser duplicado e bem sinalizado, o risco do local está no grande número de veículos que o utilizam, cerca de 175 mil ao dia.

“Estamos pagando um preço alto por não ter sido implementado ainda o desvio da BR-101”, complementou o professor do Instituto de Estudos de Trânsito e Transporte Sidnei Schmidt.

As obras do contorno viário da Grande Florianópolis têm até dezembro de 2019 para serem concluídas, mas em alguns locais, o trabalho ainda está na fase das desapropriações dos terrenos.

A preocupação dos especialistas é de que só este processo pode levar até três anos, o que tende a prolongar o trabalho do contorno e adiar a segurança de quem trafega na Grande Florianópolis.

Compartilhe isso:

Leia Mais

Trump promete sistema de saúde “para todos” em substituição ao Obamacare
Rio Grande do Norte tem nova rebelião em presídio
Semana começa com sol e temperaturas de até 35°C em SC
Estacionamentos em SC não podem ter placas se isentando de furtos
Familiares dos jogadores recebem 40 salários, e Chape estuda ação nos EUA